sábado, 29 de maio de 2010

Natureza do ser, selecionada


No complexo evolutivo humano, falta o discernimento da última parada. Não o fim, mas o destino.
Qual afinal é nossa meta utópica?!

...tic toc...

O trem prossegue como sempre, mantendo o ritmo seguindo trilhos confusos. As vezes parecendo estar indo no sentido do ponto de partida, as vezes assustando, parecendo haver um fim dos trilhos.
Para muitos o que importa é confiar no maquinista, carvão não falta mas a distribuição nos vagões não é equilibrada.

...tic toc...

Segue-se o raciocínio progressivo numérico-qualitativo, que torna o por seguinte sempre de maior valor, porém na progressão aritmética o resultado é sempre negativo. Na sociedade da informação, pretendendo modificar-se geneticamente para se reavaliar e projetar seus genes, como sociedade do conhecimento o produto de maior valor é a quarta dimensão.
Não há nada como tal, que depois de gasto jamais é recuperado.

...tic toc...

Para tal quanto menos gastarmos para produzir, mais eficiente tornamos nosso desenvolvimento qualitativo. Será? Afinal o que é essa suposta evolução? Quando bactérias se proliferam aumentando sua área de contaminação; ela está evoluindo?

...tic toc...

Nas badaladas da história o pêndulo sempre pende de um lado para, logo após, pender para o outro inversamente oposto. Toda geração é oposta ideologicamente a que a precedeu. Mas a cada badalada mais alto para os dois lados pende a cultura de um povo.

..tic toc...

O brinquedo do momento é o barco viking; virando 180 graus passamos por uma situação a outra inversamente oposta e no final não sabemos que lado estamos mais. O advento da informação instantânea e vitalmente inútil nos mantém no trilho do crescimento bactericida, mas nessa festa de pulgas o cão está se sacudindo.

...tic toc...

Talvez não seja nem um incomodo, pode ser muita ousadia achar que podemos matá-lo. Talvez seja algo que para esse ser é simples, ele está apenas se ajeitando, se adaptando ao que vem ou a como tem sido. Não obtenho a resposta e talvez o possuidor sequer consiga transmiti-la, mas se o meio é a mensagem, a mudança é a resposta indefinidamente final.

...tic toc...

O ciclo da ironia é eterno e a hipocrisia está em nosso sangue, mas de uma coisa eu tenho certeza;

Como é precioso o tempo...

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário