segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Crendo na descrença do credo


Como já dito por muitos sábios, se somos apenas humanos e incapazes de provar nossas origens, porque tanta disputa pela razão? Considerando os "e se", de forma que tanto um quanto o outro estejam errados. Não seria pretensão demais achar que já temos a resposta?

Nunca vi a vida surgir a minha frente de algo não vivo, sim, já ouvi dizer que é possível, mas como ser sensiente só tenho como base de conhecimento acima dos que me vêm através de outrem os meus sentidos, minhas experiências empíricas.

Da mesma forma nunca vi Deus, Anjos, Diabo, Zeus, Fantasmas, Minotauros, Saci-Perere, nem nenhuma crendisse ou mito já me passado, mas não me deixarei enganar por momentos onde estiver com a mente fraca abalada por saúde ou fortes emoções. Afinal não é no maior abalo psicológico, positivo ou negativo que vemos o que não deveríamos? Poéticos podem dizer que talvez seja esta a porta para o divino. Eu digo que é uma fraquesa e está intimamente ligada a loucura. Mas como tudo que vai além do que sabemos, sou incapaz de provar que o louco não sou eu.

Por isso não me prendo a falsas incertezas, não assumo dizer que não acredito em Deus, afinal ele nunca me disse nada que duvidasse. Simplesmente sigo minha trajetória de vida com as lições de moral e ética passadas para mim e não vejo religiosidade em fazer o bem. Sendo assim, as abelhas são santas, afinal até asas já possuem. Temos que aprender a conviver de melhor forma espelhados na natureza mesmo, mas ela também não é perfeita então outra ilusão se quebra. Perfeita seja a imperfeição e que não haja caos sem que haja ordem.

Sendo assim, qualquer discussão deste nível se torna inútil, se não uma moda contemporânea em se sentir livre de antigas crenças, pois sequer a moralidade está a nivel de se traçar perfeitamente. Sem luz não há sombras, nesse teatro de peças, tabuleiro da vida, apenas escolha seu papel e jogue de acordo com as regras que aprendeu. 

 
.agnóstico.talvez.

   

Nenhum comentário:

Postar um comentário